Dicas de saúde

Você conhece a dieta FODMAP?

1. O que é FODMAP?

O termo FODMAP é uma sigla vinda da língua inglesa e que se refere a monossacarídeos, dissacarídeos, oligossacarídeos e polióis fermentáveis. Estas substâncias são carboidratos de cadeia curta que não são absorvidos no intestino delgado. Ao chegarem no cólon, os FODMAP são fermentados por bactérias intestinais, causando acúmulo de gás e de líquido. Os sintomas gerados por este acúmulo incluem dor, distensão abdominal e diarréia.

A absorção desses carboidratos no organismo depende de alguns fatores, como a presença de enzimas necessárias para sua digestão, tempo que o alimento demora para passar pelo intestino, quantidade de carboidrato por refeição e a presença de problemas de saúde como a doença celíaca e a doença inflamatória intestinal.



2. Quais alimentos contém grande quantidade de FODMAP? 


Os FODMAP estão presentes em vários alimentos, incluindo frutas, verduras e cereais. Veja alguns exemplos de alimentos com grande quantidade de FODMAP:

- Frutas: maçã, pêssego e melancia;
- Vegetais: brócolis, couve e repolho;
- Leguminosas: feijão, ervilha e grão de bico;
- Cereais: trigo, centeio e cevada;
- Leite e derivados;
- Adoçantes: manitol, xilitol e sorbitol.


3. Como saber se tenho intolerância aos FODMAP?

Os pacientes que têm sintomas como diarréia, dor na barriga, excesso de gases e distensão abdominal podem apresentar intolerância aos FODMAP. Após afastadas outras causas gastrintestinais para estes sintomas, a investigação pode ser feita com testes respiratórios específicos ou com teste terapêutico, através da exclusão dos FODMAP da dieta para ver se há melhora ou mesmo resolução dos sintomas.



4. Como é o tratamento dos pacientes que apresentam intolerância aos FODMAP?


O tratamento consiste na retirada do cardápio dos alimentos que contém grande quantidade de FODMAP por um período de 4 a 8 semanas. Após este tempo, os alimentos podem ser reintroduzidos grupo a grupo. Caso o paciente apresente intolerância a um grupo de alimentos durante o período de reintrodução, este grupo deve ser novamente excluído da dieta. Os grupos bem tolerados podem ser mantidos. 

Por existir uma grande variedade de alimentos ricos em FODMAP, o acompanhamento com nutricionista é essencial durante o tratamento. Além da orientação quanto aos alimentos a serem evitados, deverá ser montado um cardápio com os alimentos substitutos para não haver prejuízo nutricional ao paciente.


Quer saber mais? Agende sua consulta!

Ligue (62) 3998-9151



Referências bibliográficas

Academy of Nutrition and Dietetics (Aliment Pharmacol Ther 2012;31:874–882) .
American College of Gastroenterology (Gastroenterology & Hepatology 2013;7).

Autor

Dra. Flávia Arantes Moreira Ximenes

Nutrição - CRN-1 - 9.521

Capacitação em serviço no grupo de Cirurgia Bariátrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Pós-graduação em Nutrição Clínica pelo GANEP.
Pós-graduação em Nutrição Esportiva pela UFG (em curso).